sexta-feira, 16 de maio de 2014

Saudade (Guilherme Almeida)

Só para alem da janela
Nenhuma nuvem, nenhuma folha amarela
Manchando o dia de ouro em pó...

Mas aqui dentro, quanta bruma,
Quanta folha caindo uma por uma
Dentro da vida de quem vive só!



Só – palavra fingida palavra inútil,
Pois quem sente saudade nunca está sozinho;
E a gente tem saudade de tudo nesta vida
De tudo! De uma espera
Por uma tarde azul de primavera.

De um silencio; da musica de um pé
Cantando pela escada:
De um véu erguido, de uma boca abandonada,
De um divã: de um adeus: de uma lágrima até!

No entanto, no momento,
Tudo isso passa na asa do vento
Como um simples novelo de fumaça...

E é só depois de velho, numa tarde esquecida,
Que a gente se surpreende a resmungar:

“Foi tudo que vivi de toda minha vida”

E começa a chorar