segunda-feira, 28 de junho de 2010

Comparações (Aparecido Raimundo de Souza)

Quando encontrei este texto de Aparecido, imaginei esta imagem, porque é assim que penso no que é GOSTAR de alguém. Algo puro, verdadeiro e sem interesses, sem exigências, gostar com o coração e não com os olhos, satisfazer o coração a alma e só depois o corpo - Aparecido conseguiu traduzir tudo isso, nestas belas palavras que falaram ao meu coração, com certeza encantará o coração de quem o ler e sugiro que leiam, enriquecerá a vida sentimental de cada um. Este texto é na verdade sem comparação. Silviah Carvalho


Gostar de alguém não é morar em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília ou qualquer outra cidade importante, mas morar com ela, de preferência dentro de seu coração. Gostar de alguém é lhe dar as mãos estendidas de carinho, depois de lhe ofertar a vida com esperanças de um porvir melhor. Gostar de alguém é participar ativamente do seu dia a dia, ouvir e entender sem fazer sombras por menores que sejam em suas idéias. Gostar de alguém é apoiar todos os seus planos, sejam eles quais forem mesmo os mais loucos e desconexos, incentivá-la sempre lhe dando o apoio moral necessário, perseverando juntos, como se fossem uma só pessoa e, sobretudo, não abandonar, jamais, a própria personalidade. Gostar de alguém é chegar de mansinho, acompanhar, ver e sentir, compreender e não fazer perguntas desnecessárias, nem meter o nariz aonde não foi chamado. Gostar de alguém é confiar plenamente nela e envolvê-la com doçura, com muita ternura, fazê-la se sentir cativa da sua presença, prisioneira dos seus desejos; porém, sem querer saber se existe o lado contrário, a parte escura, o esconderijo secreto, porque amando e, conseqüentemente gostando de verdade, com a alma, nunca, durante esse tempo, será tão imensa a contrariedade.
Gostar de alguém é uma coisa muito sublime e por demais complexas. Algo que às vezes está longe e acima do alcance das nossas vontades e entendimentos. Gostar de alguém é como buscar a Deus sem intermediários, sem meios termos. Gostar de alguém é dar e doar a alma e não esperar calculadamente pelo espírito. Gostar de alguém é passar a noite sonhando com ela, imaginando-a nos braços, gozar esses instantes como se fossem eternos e não se preocupar se dia seguinte, o sol quente ou o vento forte vierem interromper suas fantasias batendo forte nas vidraças da janela. Gostar de alguém é tentar ser sempre o prometido, o príncipe encantado dos contos de fada; aquele cavaleiro solitário que chegará de um momento para outro montado num lindo cavalo alazão e depositará, cheio de reverência, um beijo em meio a sua testa, como o Romeu eterno buscando a sua Julieta perfeita – gostar de alguém é fazer o impossível dentro do possível para não quebrar o encanto e nunca - nunca cobrar as promessas que não vingaram. Gostar de alguém é ter silencio no instante exato, respostas firmes na hora precisa, no minuto derradeiro e, ainda, ter o sopro da vida em abundância, para tentar suprir o vazio, a lacuna deixada por alguém que o destino levou para longe, numa viagem por entre estrelas de primeira grandeza, mas que se sabe, não terá volta. Gostar de alguém é gritar, pular e fazer sorrir a companheira de todas as horas. É transformar o feio numa flor perfumada e de rara beleza, é esculpir a amada num quadro indescritível, mesmo quando pintar em seu rosto o mau humor das incoerências, ou as horas tristes de angustias e aflições insistirem em marcar presença constante ao seu lado.
Gostar de alguém é entender sempre e não querer ser o eterno entendido. Gostar de alguém é acompanhar a ilusão, passo a passo, enquanto ela existir, procurar vive-la sem cogitações e como a uma fogueira, alimentá-la e intensificá-la sempre, “ad eternun”. Gostar de alguém é saber a hora, o instante exato de se afastar antes do tédio e da monotonia baterem a porta; do copo transbordar todas as mágoas guardadas e, ainda, das lágrimas brotarem por pequenas coisas que não foram ditas. Gostar de alguém é passar por cima dos problemas que ficaram sem solução, é saber como chegar ao minuto fatal de dizer adeus sem constrangimentos, e ao fazê-lo, manter a cabeça erguida, sem a expectativa da volta ou de uma nova reconciliação. Gostar de alguém é se render de corpo inteiro, sofrer por amor até a exaustão, mergulhar de cabeça, às cegas, num vôo desconhecido, como Ícaro em busca do sonho imperfeito, ou como o andarilho, cujo paradeiro da sua jornada, ignora o desfecho que lhe aguarda no final da longa estrada. Gostar de alguém é dizer coisas lindas, é sussurrar juras de afeições profundas, é sentir as entranhas queimando, o corpo ardendo em febre de quarenta graus, é sentir a alma leve e solta, a vida fluindo como se fosse uma pluma na imensidão, é ter o coração batendo acelerado, descompassado, como se quisesse, de repente, saltar peito afora, criar asas e voar por espaços nunca imaginados. Gostar de alguém é efetivamente nunca se arrepender, amanhã, depois, ou algum dia (sempre há um dia), por ter se entregue tanto, por ter anulado sonhos, ou deixado de fazer isto ou aquilo. Gostar de alguém é perder o rumo, o prumo, o pulso, a visão do que é certo ou errado, a ponto, inclusive, de não saber o caminho da volta, o porto amigo para tentar reconstruir a si mesmo dentro do vazio enorme que ficará martelando, pungente, como uma ferida aberta que se nega a cicatrizar. Gostar de alguém é ter coragem suficiente para correr atrás dela no instante exato em que ela tomar a decisão de sair pela porta afora, com as roupas do corpo, deixando no ar, um vazio grande demais, uma inquietude que logo se transformará em solidão.