sábado, 4 de junho de 2011

Abraça-me

Esconda-me em seus braços, me deixa imaginar
Que estou segura aqui, estive num deserto vagando
Sem direção, tive fome, sede, frio e calor e, de todas
As privações, a que mais me consumia, era a falta de amor.

Abraça-me, aperta meu rosto em seu peito,
Não deixe que eu ouça o eco daquele ermo,
Que em fim, ficou para trás,
Esconda-me, onde a solidão não me veja mais.

Sei que há um lugar secreto em ti, onde eu possa repousar,
Esconda-me nele deixe meu rio de amor te inundar,
Dá-me um minuto de intimidade, quero provar da eternidade,
Pois o que me importa é ser feliz, te fazer feliz... Poder te tocar.

O que me importa é te abraçar, sentir no limite teu calor,
Sem medo, sem promessas, sem nada de ti, ou de mim,
Nada além deste amor que invade minh’alma,
Que muda meu ser, que me atrai que, me faz existir.

Talvez meu anjo, eu chegue ao romper da aurora,
Que os outros anjos lá no céu digam amém!
E te esconderei de todas as dores que te afligem,
Pois em mim, há um lugar secreto, reservado para ti também.