segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Insensato Coração

Meu pobre coração perdeu-se em meio as suas palavras, dúvidas e in-certezas ferem minha consciência, como pode este amor surgir do vazio de suas respostas, do silêncio que domestica minha impaciência, eu que sou um ser arredio e limitado levo-te frases, mas, deixo cair palavras que, alimentam outros corações, mesmo sem intenção e percebo a semelhança de estupidez com inocência.  Às vezes, nos parecemos egoístas agindo de acordo com nossos interesses, como a águia que, quando avista uma presa, se lança sem se dar conta das intempéries, dos obstáculos... Insensato coração, pois, não deseja mais ninguém além de você, nem se vê em outros braços senão nos teus, os olhos do meu sentimento te vê só, sem ninguém a cuidar-te, desprotegido cercado pelas águas... Saiba, o anseio da minha alma é parecido com a tristeza que, me faz preferir o silêncio a uma triste surpresa. Consciente desprezo as agruras que este amor possa deixar aqui dentro e, assumo este sentimento mesmo sem esperança de poder vivê-lo.