sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Volta pra mim...


Ainda que eu desistisse de tudo e passasse a crer
No quão é maduro resistir às paixões da carne
O quanto é precioso sorrir quando a alma sangra
Eu morreria se preciso pela esperança de te ter

Se eu tivesse uma palavra sua que alimentasse este amor,
Eu viveria por ela, assim como tenho morrido à falta dela
Sua ausência corta minha carne sinto as dores da lapidação
Corto-te do meu exterior, e sem notar, te lanço no meu coração

Sem direito a uma chance, atrelada ao meu fim,
Caminho a passos largos sem mérito, sem sorte,
Sinto-me a personagem, a mocinha de uma historia ruim
Que sacrifica seus sonhos no caminho que a conduz a morte

Meu coração repulsa outro amor e sofre sozinho
Embora transborde em sentimentos por você
Sabe que é inútil sonhar e desejar seu carinho
A chance me foi negada e eu, á quero esquecer

Como pode alguém sentir-se feliz longe de quem ama
Confesso esta força, eu não tenho, por você enfraqueci
Irrequieto coração tornou-se uma solicitude sem fim
Peço, dá-me uma chance, volta... Volta pra mim 






Silviah Carvalho