sábado, 3 de julho de 2010

À Espera (Aparecido Raimundo de Souza)

Aqui me pego, à tua saudade, esperando
Que venhas e traga ternura em teus traços...
Porém, passam-se as horas... E já desanimado
Cismo que não chegarás até meus braços


E meus anseios vão se arrastando
Em tua ausência c’os meus embaraços...
Tão depressa as horas foram passando,
Que até ouço a saudade e seus tristes passos...


Perto de mim, uma pá de gente segue cruzando
Indiferente ao anseio de que desejo ver-te
E que aos poucos estou me definhando...


Esgotou-se o tempo... Esperar-te foi em vão.
Mas a angústia louca de amanhã rever-te,
Faz regressar feliz este meu coração!...


Aparecido Raimundo de Souza 57 anos é Jornalista e Escritor